MEDICINA ESPORTIVA


DORES NO JOELHO NAS ATIVIDADES FÍSICAS



O joelho é articulação que sustenta todo o nosso peso e está sempre sujeito a sofrer lesões. Por isso é preciso cuidado na hora de praticar exercícios físicos, tanto os aeróbicos quanto a musculação. A dor que ocasionalmente sentimos é um sinal de defesa do corpo, já que as articulações têm células mecanorreceptoras que avisam o cérebro quando elas estão sendo exigidas demais. A principal dica é não fazer exercícios físicos com dor. Movimentos errados, postura inadequada, desbalanço muscular e falta de intervalos durante as séries podem causar diversos problemas no joelho. Os mais comuns são desgaste da cartilagem,lesões nos ligamentos, lesões nos meniscos e tendinites. As lesões ligamentares geralmente ocorrem nos movimentos rotacionais bruscos ou nos traumas no esporte ( mais comum no futebol, voleibol, esqui,etc ).

As lesões meniscais podem acontecer num movimento errado de agachamento ou em qualquer pequeno movimento torsional do joelho. Muitas vezes a pessoa se lesiona sozinha, em movimento rotineiro do dia a dia ou na academia. As tendinites na maioria das vezes são geradas pelo ‘overuse’, ou seja, treinamento excessivo ( ou na carga ou no número de repetições). Outro problema que pode atingir o joelho é a chamada condromalácia patelar. Trata-se de uma lesão na cartilagem articular da superfície da patela. Pode ser o início de uma futura artrose , ou seja, de um desgaste mais grave e de difícil tratamento. Essa patologia, indubitavelmente, é a causa mais frequente de dor no joelho nas academias de musculação, por isso vamos abordá-la com mais atenção. Embora a maioria dos portadores de dores no joelho que praticam exercícios acabem ganhando este diagnóstico ‘‘genérico’’ de condromalácea, na verdade esta patologia é uma consequencia de outros problemas no joelho, e deveria ser melhor chamada de síndrome femoro- patelar. Isto porque os grande vilões da história são o desbalanço muscular e os encurtamentos musculares , que por sua vez são quem causarão as hiperpressões na cartilagem e a consequente condromalácea. A condromalacia provoca dor, inchaço e limitações de movimentos. Sua incidência é maior em adolescentes e adultos jovens, principalmente em mulheres.

Os sintomas mais comuns são:

+ Dor no joelho ao correr, subir e descer escadas;
+ Dor ao levantar-se da cadeira;
+ Dor ou desconforto ao ficar muito tempo sentado;
+ Sensação de estalos no joelho ou crepitação (sensação de areia dentro do joelho);
+ Edema no joelho lesado.


Essa patologia também pode acontecer após exercícios feitos de forma inadequada e devido à sobrecarga no treino, embora em alguns casos possa ter um fator constitucional ósseo genético. Com certeza uma pessoa acima do peso também vai sobrecarregar demais a cartilagem do joelho, podendo provocar a condromalácea e a artrose. Portanto o controle do peso é fundamental!! O sedentarismo também provoca desbalanços musculares e predispõe a essa patologia. Os exercícios de musculação bem feitos e orientados por profissional gabaritado pode ajudar a prevenir lesões no joelho. Contudo os exercício sem restrições em um joelho doente pode ser muito prejudicial. Assim, o uso inadequado do aparelho de ginástica como Step, Leg Press, cadeira extensora e agachamentos podem sobrecarregar a articulação femoropatelar.

Há treinos específicos para portadores de patologias articulares que devem ser prescritos pelo ortopedista e executadas pelo educador físico competente. Não é correto o profissional da saúde simplesmente proibir a pessoa a praticar esportes ou musculação, mas sim descobrir a real causa da dor e passar um treino adaptado!

Existem algumas orientações para prevenção destas dores no joelho, que seriam:

+ Manter bom alongamento.
+ Manter o peso ideal de acordo com a sua altura.
+ Não fazer exercícios que causem dor.
+ Manter relação fisiológica entre agonistas e antagonistas do joelho.
+ Não extrapolar em exercícios de impacto como corridas e saltos, principalmente quem sente já algum tipo de dor.
+ Não exceder no uso de salto alto.
+ Retringir a flexão do joelho nos exercícios em que haja contração do quadrícipes.


Você pode sim praticar exercícios de musculação, pois eles ajudam no fortalecimento da musculatura hipotrofiada e isso faz parte do tratamento. Porém, é necessário um acompanhamento de um fisioterapeuta ou educador físico especializado, respeitando os limites determinados pelo ortopedista e pela sua dor. Se a dor for estiver muito forte e impedir que realize musculação, treinamentos de natação e pilates são ótimos para ajudar no tratamento. Também se pode tentar exercícios isométricos nos aparelhos na fase de muita inflamação. Também hoje existem medicações que auxiliam na regeneração da cartilagem, conhecidos como condroprotetores. Eles podem ser coadjuvantes no tratamento, em alguns casos. Raramente são necessárias cirurgias para casos de condromalácea, se tratada precocemente. Já nos casos avançados e com artrose estabelecida, a eficácea do tratamento conservador é bem menor. Por isso em caso de dor no joelho, mesmo que não seja intensa, faça uma consulta com ortopedista especializado para seu correto diagnóstico, pois só a partir de então você saberá quais suas verdadeiras restrições e recomendações.



Artigo publicado na REVISTA OLÍMPICA, da Academia Olímpica, na edição de Março de 2014.