PRODUÇÃO CIENTÍFICA

PUBLICAÇÕES


NOVO SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO DAS LESÕES TRAUMÁTICAS DA COLUNA VERTEBRAL. ESTUDO CRÍTICO DE 100 CASOS



Cristante, A.F.; Gebrin, A.S.; Sorrilha, A.; Oliveira, R.P.; Barros Filho, T.E.P.


Acta Ortopédica 5 (3): 93-98, 1997.


Resumo:
Várias classificações têm sido propostas para avaliação das lesões traumáticas da coluna vertebral, cada uma delas apresentando vantagens e desvantagens, mas ainda não foi possível a unificação dos sistemas para classificar tais lesões. Visando padronizar uma forma de avaliação que englobaria os aspectos positivos das diversas publicações sobre o assunto, a American Spinal Injury Association – ASIA desenvolveu um método de classificação baseado em cinco parâmetros: número de colunas em que se divide cada vértebra acometida pela lesão, deslizamento resultante da lesão, angulação resultante da lesão, acometimento do canal vertebral e aferição da quantidade de perda de massa da vértebra resultante da lesão. Este trabalho descreve a análise crítica de 100 casos de lesões traumáticas da coluna vertebral atendidos no Grupo de Traumatismo Raquimedular do Instituto de Ortopedia e Traumatologia do HC – FMUSP, classificados segundo o novo método, e comenta os resultados em comparação com a literatura.



ESTUDO HISTOLÓGICO DOS ENXERTOS ÓSSEOS HOMÓLOGOS HUMANOS



Batista,A . D., Andrey Sorrilha, Tormes, T.A .M., Abdoume,Y.A ., Croci, A . T. , Olavo Pires de Camargo, Claudia Regina G. C. M. Oliveira


Acta Ortopédica Brasileira, volume 11- número 4 - ano 2003


Resumo:
Devido ao crescente uso dos enxertos homólogos humanos (aloenxertos) nas cirurgias ortopédicas reconstrutivas, há a necessidade do completo conhecimento de suas características biomecânicas e histológicas. Este estudo compara, quanto às características histológicas, os enxertos de cadáver colhidos de côndilo femoral a fresco, aos criopreservados a menos 80° C por trinta dias. São comparados vinte espécimes em cada grupo, quanto aos seguintes parâmetros histológicos: viabilidade celular, presença de vascularização, necrose, manutenção da matriz óssea, processo inflamatório, remodelação óssea e fibrose. Após análise estatística utilizando o método de Fisher (p£0,05), o estudo conclui que apenas a viabilidade celular apresenta mudança significativa após a criopreservação. Os enxertos ósseos não necessitam de células viáveis para sua utilização. Logo, o processo de criopreservação é um método útil para o armazenamento dos aloenxertos em bancos de tecidos não inviabilizando seu emprego futuro nas cirurgias ortopédicas.
Unitermos: aloenxerto; histologia ; criopreservação